quarta-feira, 25 de abril de 2012

TRAILER DO FILME "OS DUELISTAS"
SERVIÇO:


SEXTA-FEIRA DIA 27 DE ABRIL DE 2012


SESSÃO DAS 16 HORAS

OS DUELISTAS

Eis a saga da série de duelos entre dois homens. Obcecados, os

tenentes D'Hubert e Feraud travam diversos embates ao longo de 

15 anos, buscando defender cada um sua honra.  

Diretor: Ridley Scott
Duração: 100 minutos
Ano: 1977



TRAILER DO SHOW "THE SMITHS - LIVE IN BARCELONA"

Sessão das 19 horas.

THE SMITHS - LIVE IN BARCELONA - 1985

Show do grupo inglês The Smiths em Barcelona, Espanha em 1985. Os Smiths foram um dos grupos mais autênticos da década de 1980 com músicas profundas de melodias fortes e bem definidas e letras poeticamente construídas sob a influência de Oscar Wilde e Rimbaud.

NO AUDITÓRIO TÉRREO DA BIBLIOTECA - IFPA
AV. ALMIRANTE BARROSO - ENTRE MARIZ E BARROS E TIMBÓ


ENTRADA FRANCA!!!

terça-feira, 10 de abril de 2012

TRAILER DO FILME "BUENA VISTA SOCIAL CLUB"
video
SERVIÇO:


SEXTA-FEIRA DIA 20 DE ABRIL DE 2012


SESSÃO DAS 16 HORAS

BUENA VISTA SOCIAL CLUB

Documentário sobre o grupo cubano Buena Vista Social Club, grupo que reúne grandes músicos que atravessaram os tempos. Um passeio por cuba e sua bela música.
Diretor: Wim Wenders
Duração: 105 minutos
Ano: 1999
TRAILER DO FILME "JOY DIVISION"
Sessão das 19 horas.

JOY DIVISION - UMA HISTÓRIA

Documentário que mostra a história da banda Joy Division durante sua breve existência. Um marco do pós-punk inglês e mundial, com varias entrevistas dos ex-integrantes da Joy Division, atual New order e outros indivíduos importantes da cena pós-punk mundial.
Astor, Atencio, Edenbrow, Savage e Gee
: 93 minutos
: 2009
 
NO AUDITÓRIO TÉRREO DA BIBLIOTECA - IFPA
AV. ALMIRANTE BARROSO - ENTRE MARIZ E BARROS E TIMBÓ


ENTRADA FRANCA!!!

quarta-feira, 4 de abril de 2012


UMA ODE À FANTASIA
                                                                                                         Fernando Campos

A representação delicada da glória dos eventos secretos do cotidiano, cuja aura de beleza e mágica repousa sobre a superfície de detalhes sutis que permanecem latentes, quase sempre, não alcançando o campo de visão do olhar das pessoas, reducionista e estreito, que deixa os olhos executarem a ação de olhar e ver, porém, sem desenvolver o ato reflexivo que permite enxergar. Isso parece ser causado por algum tipo de mecanismo abstrato que gera modelos uniformizadores dos níveis sensíveis, que interferem na sensibilidade do inconsciente coletivo, impedindo a manifestação imediata e pura da percepção.
A sociedade contemporânea preocupa-se apenas com o fenômeno ECOnômico . Submete a razão de SER a urgência da fabricada necessidade de TER. Artificializa a relação do indivíduo com a realidade e o mundo através da ideia da realização material individual (INDIVIDUALISTA-NEGATIVISTA) e ainda o faz assumir uma posição de antagonista diante da Natureza e de seus semelhantes. Uma disforme inversão de valor do conceito de CONVIVER reduzido ao estúpido ato de competir.
No filme O Fabuloso Destino de Amelie Poulain,de Jean-Pierre Jeunet,a personagem protagonizada pela atriz  Audrey Tautou (Eterno Amor,também dirigido por Jeunet)transforma a realidade à sua volta numa fantasia pueril.A vida passa a funcionar a partir do seu imaginário infantil repleto de arquétipos e representações próprias desse período do desenvolvimento.O seu comportamento é determinado pelas oscilações de seu humo.Assume o papel do herói,que busca por justiça e proteger os fracos das ações dos tiranos.Está sempre ajudando os outros,reunindo os mais improváveis casais e se colocando em segundo plano.
Amelie Poulain pode ser considerada um contra modelo de indivíduo na sociedade contemporânea. Suspensa. Fora do fluxo temporal real. Gravitando num permanente estado de transição (que nunca se completa) entre a figura de uma menina e a imagem de uma exuberante mulher. Tímida, um verdadeiro elogio à introspecção. Constantemente atenta ás pequenas coisas. Isso não significa que sua personalidade esteja condicionada por retardamento psicológico como algum tipo de complexo (COMO UM COMPLEXO DE PETER PAN) ou coisa parecida. Não se pode submeter o sonho voluntário aos diagnósticos psicológicos (científicos- racionalistas). Amelie Poulain é prosaica (E talvez por isso mesmo, LINDA!) e absolutamente EXTRAORDINÁRIA. Enxerga a vida como se cada pequeno evento ocorresse sob os desígnios da sublimidade.
A relação com a ideia de sonho-infância que permeia todo filme é evidenciado na fala da personagem de Bretodeau (aonde o som de sua voz reunido à expressão de seu rosto tomam a forma de um adágio áudio-visual: som-voz-música; rosto-expressão-imagem), o homem –ou o garoto – dono da caixa de metal ou “caixa de lembranças”: ”A vida é engraçada. Para a criança,o tempo passa.E,de repente,temos 50 anos.E o que sobra da infância cabe numa pequena caixa ...uma caixa enferrujada”.
 O diretor Jean-Pierre Jeunet estabelece um tratamento peculiar nos detalhes do filme como a alternância de cor na fotografia. Nas incursões ao passado das personagens a fotografia assume aspecto de Branco e Preto denso, chapado. A cor no filme parece ter sido selecionada numa ordem de importância e significado, pois existe uma freqüência marcante de verde, vermelho entremeados de um fraco amarelo, meio baunilha ou, quase atingindo tons pastel, resultado da luminescência do sol, obviamente, submetida a tratamento estético específico para produzir  um clima de abstração,devaneio e fantasia.Isso contribuiu também para criar um apelo à poesia visual.
O narrador atua como uma ponte interativa entre o espectador, a personagem e a história. Essa característica do filme faz o público se sentir confortavelmente envolvido na trama e     próximo das personagens. A própria Amelie Poulain intervém sobre a voz do narrador em algumas cenas. A narrativa quebra a sua linearidade recorrendo ao FLASHBACK sempre que uma personagem nova surge em cena, sendo esse um recurso que familiariza o espectador com o passado das personagens criando um laço íntimo, ainda que isso ocorra apenas sob essas circunstâncias.
O Fabuloso Destino de Amelie Poulain é sobre identificação. Não somente com as personagens fictícias que povoam o filme, porém se trata de se identificar com a pureza de ser criança, de se conservar algumas características, como se permitir fantasiar , brincar e principalmente se permitir rir de si mesmo. Esse fantástico filme é uma experiência superdimensionada de tradução da fantasia e do sonho infantil e de como se deve recorrer a um propósito deliberado de preservação do imaginário infantil como forma de resistir à desertificação da alma.