sexta-feira, 25 de março de 2011


ÓDIO ILETRADO

Fernando Campos
            O Estado sempre esteve preocupado em controlar o comportamento da sociedade. Esse insidioso empreendimento conta com duas das mai eficientes ferramentas disponíveis: A educação e os meios de comunicação.
            A educação funciona como um condutor ideológico para incultir a ideia de uma sociedade democrática trabalhada pela autoridade política (escolhida pela maioria de um grupo) amparada por um sistema econômico que oferece oportunidades iguais. Entretanto, como classifica-se esse modelo de DEMOCRACIA extratificado: ricos e pobres (Aristóteles), os grandes e povo (Maquiavel), as classes sociais antagônicas (Marx)? Muito embora, se ignore que a política liberal (que culminou com esse abominável neo-liberalismo contemporâneo) é resultado de eventos econômicos e sociais que atribuiu transformações na concepção do poder do Estado, deve-se aunência dos indivíduos por intermédio do Contrato Social.
            Os meios de comunicação promovem a imagem desse sistema. Gravam no inconsciente coletivo arquétipos definitivos. Imutáveis. O imaginário o indivíduo deslumbra-se com um paraíso de possibilidades. Fornece a maquette do “Sonho artificial”. Anestesia os sentidos causando uma disfuncionalidade da consciência que bloqueia a compreensão dos eventos. Isso gera um alheamento do indivíduo das questões coletivas, pois o conceito de realidade foi totalmente obliterado no processo.
            Considere-se, também, outras duas ferramentas imprescindíveis para o eito absoluto da ação do Estado. As religiões que procuram, dopar o indivíduo por vias “espirituais” e convencê-lo a aceitar de forma resignada a exploração da numerosa classe baixa em sua patética expressão de apatia e condescendência. E finalmente a Máquina Repressora que legitimiza a violência para extinguir (com a Morte) o menos sinal de insurreição.
            O filme-denúncia de François Truffaut, Fahrenheit 451, alegorizava um sombrio futuro. Um pesadelo sobre Estados totalitários e políticas autoritárias. O roteiro foi baseado o romance homônimo de Ray Bradbury que declarou que o conteúdo do livro não tratava-se de um libelo contra a censura e sim de uma constatação óbvia a qual ele chegou ainda quando jovem. Com o advento da comercialização da televisão e com a ampliação do alcance comunicativo desse objetivo destruiu-se o interesse pela leitura.
            No filme, que tranpôs finalmente o conteúdo do romance, apresenta um futuro onde livros são proibidos. Sustentar opinião própria é uma afronta e crime contra o Estado que mantém uma política violenta de supressão do pensamento crítico. Nesse sentido como os livros são portadores de conhecimentos e emoções e ISS pode conduzir o indivíduo a ter uma revelação e levá-lo a ações reativas. As autoridades criam um tipo especial de “bombeiro” que inverte a ordem da função original de um bombeiro: APAGAR O FOGO. Tanto no filme, de Truffaut, quanto o romance de Ray Bradbury, os agentes do estado representado pela figura do bombeiro que carregam um lança chamas: INCENDEIA OS LIVROS. O número 451 refere-se à temperatura – Fahrenheit – a qual o papel (ou livro) incendeia-se.
            Muitos espectadores costumam julgar como ignorante a ação do Estado quanto a atitude de banir os livros através de sua cremação. Entretanto, as pessoas reservam fins, até, bem mais inglórios para os livros. Confinamos em bibliotecas sob o silêncio sagrado de uma catedral, onde o único som que é produzido (que é quase imperceptível) representa a presença do único ser realmente interessado  nos livros naquele ambiente: a térmita.
            É interessante considerar a simbologia do conteúdo do filme. As pessoas migram para aterra dos livros. Elas se submetem a necessidade de ler e memorizar os livros para reescrevê-los depois. Logo percebe-se o retorno a origem narrativa: a oralização. E depois pela urgência de se fazer hábito a leitura cotidiana como num exercício de resistência aos meios de comunicação de massa que, a despeito de sua utilidade, desVIRTUAM o poder mágico da palavra.
            No livro, Crisântempo, do poeta concretista Haroldo de Campos, um poema expõe essa triste crise de comportamento do nosso tempo: Poema Qohelético 2: Elogio da Térmita.

Os cupins se apoderam da biblioteca
Ouço o seu áfono rumor
O canto zero das térmitas
Os homens desertaram a biblioteca
palavras transformadas em papel
os cupins ocupam o lugar dos homens
gulosos de papel           peritos em celulose
O orgulho dos homens se abate madeira roída.
Tudo é vão

a lepra dos cupins corrói o papel            os livros
o gorgulho mina o orgulho
assim ficaremos            cadáveres verminosos


escrevo este elogio da térmita.


            Retirem a mordaça imaginária que torna os livros mudos. Dei-lhes vida pondo seu próprio coração dentro de suas páginas e eles lhes devolverão igualmente a gentil ação.




terça-feira, 15 de março de 2011

TRAILER DO FILME FAHRENHEIT 451

video

PINDORAMA CINE-EDUCAÇÃO

Relatório

Introdução

Os objetivos do projeto Pindorama Cine- Educação, idealizados pelos estudantes André Leite e Fernando Campos do curso de Licenciatura em Geografia orientados pela professora Patrícia Guilhon. Era criar um espaço cultural alternativo dentro do IFPA, Campus- Belém, socializar os estudantes de todas as modalidades de ensino do instituto, tais como: o superior, o médio- integrado e o técnico. Além disso, promover a ampliação do conteúdo referencial dos estudantes, sobretudo no que tange conhecimento sobre artes, filosofia, política, movimento estudantil e consciência de classe, bem como discutir a história recente do Brasil e as questões que dizem respeito à universidade, estimulando neles, os estudantes, o interesse pela formação de uma consciência crítica e a necessidade de assumir uma postura mais responsável diante da sociedade.
Portanto, o projeto Pindorama Cine- Educação usa a linguagem cinematográfica como aliado para consolidar esses objetivos. E qual a razão da escolha do cinema? O cinema trabalha a imagem, o movimento e a fotografia. Age de forma imediata sobre os sentidos, com predomínio óbvio da visão. Atinge as pessoas de uma maneira peculiar. Envolve todos numa atmosfera mágica. Numa sala de exibição, escura, somente com a iluminação que se desprende da tela, todos se transformam em parabólicas sensórias, o que os torna suscetíveis a transformações de todo tipo. Isso gera um ambiente propício para debates que se realizam após cada sessão e que obedecem a um tema, trabalhado previamente pelos responsáveis pela exibição dos filmes.
Não se pretende com o projeto de exibição filmes, transformar o cinema num mero veículo ideológico ou de transmissão de conteúdo de qualidade questionável. O cinema acima de tudo é ARTE e para sua devida compreensão e apreciação, deve- se estudar, pesquisar, experimentar todas as possibilidades de expressão oferecidas em seu conteúdo e forma, ao longo dos anos, desde o seu surgimento.
O cinema é uma arte repleta de complexidades. É uma modalidade de arte multifacetada. Isso é devido ao uso conjunto em absoluto equilíbrio de sofisticados códigos aliados em sua composição. Entretanto, é possível usar o cinema como aliado ou suporte para ampliar a dimensão dos debates críticos dentro de uma perspectiva educacional, sem desvirtuar a arte cinematográfica.

Pindorama Cine- Educação
Sessão do dia: 13.08.2010
Filme: Terra em Transe
Diretor: Glauber Rocha

  Esta foi a sessão inaugural do projeto. O tema escolhido para o debate foi política do período ditatorial no Brasil e o Cinema Novo. A exibição recebeu o nome de “Terra em Transe: Um delírio Poético- Político”. Os responsáveis pelo debate foram os estudantes André Leite e Fernando Campos, autores do projeto.
O filme foi escolhido por se tratar de um dos melhores do Cinema Novo brasileiro e por ser dirigido pelo significativo representante do cinema no Brasil, Glauber Rocha.
O filme alia lirismo e caos para retratar através da ficção toda a miséria do subdesenvolvimento do Brasil e da América Latina submetidos à tirania das ditaduras militares que dilaceraram a figura da frágil organização social aqui estabelecida.
A sessão contou com ampla receptividade dos estudantes do IFPA Campus- Belém, alunos de instituições de ensino público e particular. Além disso, estiveram presentes na abertura da sessão o Diretor- Geral de Ensino, Professor Darlindo, o responsável pela DIREI, Professor Fausto Bezerra, o Presidente do DCE Ricardo Vinicius e a Chefe de gabinete da Direção- Geral de Ensino Andreza Cardoso. A média de público registrada no livro de presença foi de 45 a 50 espectadores.
Textos sobre o conteúdo referente ao filme e ao debate foram distribuídos antes da sessão.
A exibição do filme “Terra em Transe” contou com a aprovação do público que se mostrou interessado tanto em assistir o filme quanto em participar das discussões após a sessão. Contudo, numa pequena pesquisa, realizada de maneira informal, na entrada do local de exibição (Mini- auditório da biblioteca do IFPA Campus- Belém), apenas três estudantes declaram já haver assistido o filme, muito embora, não conhecessem o diretor. O restante do público estava tendo a oportunidade de assisti-lo pela primeira vez, não possuindo conhecimento algum sobre o filme e sobre o diretor, Glauber Rocha, ou ainda o Cinema Novo.
Portanto, o projeto em sua primeira sessão já conseguia contemplar um de seus objetivos, ampliar o conteúdo referencial dos estudantes.
A sessão transcorreu bem. Houve participação razoável dos espectadores durante o debate. A sessão foi iniciada às 19h00min horas e o debate ao término da sessão, sendo encerrada após o debate por volta das 21h30min.

Pindorama Cine- Educação
Sessão do dia: 20.08.2010
Filme: Pindorama
Diretor: Arnaldo Jabor

As sessões do mês de agosto foram dedicadas ao Cinema Novo no Brasil. Depois de ter sido exibido “Terra em Transe” de Glauber Rocha, a pauta dos organizadores escolheu “Pindorama”, filme realizado por Arnaldo Jabor, pois este foi usado para batizar o projeto. Na verdade “Pindorama” de Arnaldo Jabor, deveria ter sido o filme da sessão inaugural, porém houve certa dificuldade para encontrar o filme a tempo de exibí-lo.
O nome “Pindorama”, “Pindó-Retama” ou ainda “Pindó-Rama”, significa em língua tupi-guarani: “Terra/ lugar/ região das palmeiras”. É uma designação pré-cabraliana dada a regiões que mais tarde, formariam o Brasil. Por extensão de significado, é o nome indígena por excelência desse país Sul- americano, os idealizadores do projeto queriam um nome que fosse diferente e ao mesmo tempo tivesse uma relação com aquilo que o cinema brasileiro produziu de melhor.
O Cinema Novo continuava na pauta de exibição e como fornecedor do conteúdo a ser debatido, que foi publicado em forma de texto e distribuído ao público como sempre ocorre nas sessões. O tema era: “Uma poética do olhar. Um olhar sobre a história”, e objetivava discutir a relação dos “descobridores” no Brasil colonial e qual a perspectiva crítica perpretada pelo trabalho do realizador cinematográfico, Arnaldo Jabor.
A média de público foi semelhante à sessão anterior, por volta dos 50 estudantes.
O debate teve uma participação mais significativa dos estudantes que fizeram comentários e expuseram seus pontos-de-vista.
A sessão foi iniciada às 19h00min e encerrada às 21h30min

Pindorama Cine- Educação
Sessão do dia: 27.08.2010
Filme: Vidas Secas
Diretor: Nelson Pereira dos Santos

   O filme “Vidas secas” de Nelson Pereira dos Santos, baseado na obra literária de Graciliano Ramos, foi selecionado estrategicamente para encerrar a mostra CINEMA NOVO-BRASIL, por se tratar, tanto de uma obra de arte cinematográfica universal, quanto por conter nele, elementos estéticos propostos pelos idealizadores do movimento de Cinema Novo. Além disso, é caracterizado por converter a linguagem literária do livro para o código visual do cinema de forma bem sintética, pois no filme não é possível reproduzir todo conteúdo do romance, até porque este não é o objetivo principal do cinema quando aventura-se por outros códigos da arte.
   A proposta do projeto era combinar uma discussão de conceitos estéticos do Cinema Novo e a narrativa literária do romance de Graciliano Ramos, mediados pelos estudantes André Leite e Fernando Campos, o professor de história e sociologia Márcio Araújo e pela Professora de língua portuguesa, Fernanda Tavares.
   Estudantes de instituições particulares e públicas participaram da sessão e puderam tirar duvidas sobre leituras obrigatórias com a professora Fernanda Tavares e históricas e sociológicas com o professor Márcio Araújo. A média de público permaneceu entre 45 e 50.
   A sessão foi iniciada às 19h00min e encerrada por volta de 21h49min.




Pindorama Cine-Educação
Sessão do dia: 03.09.2010
Filme: Antes do Amanhecer
Diretor: Richard Linklater

No mês de setembro foi iniciada uma pequena mostra sobre produção-realização de Cinema Independente e Alternativo.
O filme Antes do Amanhecer do diretor Richard Linklater é um bom exemplo desse segmento. Foi concebido e realizado como típica produção independente.Poucos recursos.As locações pareciam terem sido escolhidas de uma maneira casual.O elenco fio outro fator determinante para que o filme adquirisse essa característica.O núcleo narrativo ficou reduzido – intencionalmente – ao ator americano Ethan Hawke e à atriz francesa July Delpy,muito conhecidos por produzirem e atuarem em produções despretensiosas,fora do esquema dos grandes estúdios.Isso não significa,é claro,que esses não apresentem qualidade.tanto possuem,que a Warner Bros. Inc. lançou “Antes do Amanhecer” nos cinemas e posteriormente em DVD.
Esse filme proporcionou a abertura de um diálogo sobre o Cinema Independente e sua produção alheia aos mecanismos de divulgação convencional,o cinema comercial e as produções menores,oriundas do MICROESPAÇO CULTURAL UNDERGROUND,repleto de coletivos artísticos,realizadores amadores e profissionais,estudantes de artes,poetas e visionários,que em detrimento da ausência de visibilidade injetam energia criativa e promovem uma verdadeira renovação do cinema.
Os estudantes do IFPA Campus – Belém e convidados tiveram a oportunidade de contemplar um outro panorama criativo do cinema.O filme “Antes do Amanhecer” foi muito bem recebido pelo público,que interagiu e atuou nos diálogos após a sessão.Conseguiram entender a ideia de “QUEBRA” do tema anterior (CINEMA NOVO – BRASIL) para observar outro momento da produção de filmes em outro tempo.Perceberam também  que apesar dessa “QUEBRA” entre os temas,que estava tudo relacionado,a influência do momento histórico em todas as perspectivas (sócio-econômicas e culturais) sobre a realização de cada filme.
A sessão foi encerrada às nove e trinta da noite.

Pindorama Cine-Educação
Sessão do dia: 10.09.2010
Filme: Antes do Pôr-do-sol
Diretor: Richard Linklater

A exibição do filme “Antes do Pôr-do-sol” de Richard Linklater, visava dar continuidade aos debates sobre o Cinema Independente. O filme não é uma seqüência convencional típica do cinema comercial. A narrativa sobre as personagens Jessie (Ethan Hawke) e Celine (July Delpy) avança alguns anos, eles voltam a se encontrar e retomam os diálogos que naturalmente se tornaram mais maduros.
A média de público foi de 25 a 30.
A sessão foi finalizada às 21: 20 h.

 Pindorama Cine-Educação
Sessão do dia: 17.09.2010
Filme: Cronicamente Inviável
Diretor: Sérgio Bianchi

A sessão de “Cronicamente Inviável”, de Sérgio Bianchi, buscava uma abordagem social sobre a realidade brasileira recente. As questões debatidas foram desde a violência, passando pelo uso de drogas e o aborto até mesmo a política partidária e a burocracia.
O filme foi bem aceito pelo público que entendeu a proposta e participou do debate. A sessão foi encerrada às 21: 49 h.
A média de público foi de 20 a 25.

Pindorama Cine-Educação
Sessão do dia: 24.09.2010
Filme: Estamira (DOC.)
Diretor: Marcos Prado
Filme: A Origem é o Fim
Diretor: Corredor Polonês Atelier Cultural

Essa foi a primeira sessão dupla do Pindorama Cine-Educação. A idéia era encerrar o tema sobre Cinema Independente, exibindo uma produção experimental de um grupo de realizadores de cinema alternativo da cidade de Belém objetivando aumentar a visão dos espectadores sobre as possibilidades da arte cinematográfica e alertá-los sobre a existência de células de produção cultural na cidade. O filme exibido foi “A Origem é o Fim” do Corredor Polonês Atelier Cultural. Logo após, foi exibido o documentário “Estamira” de Marcos Prado. Um trabalho de intensa beleza fotográfica combinado com a crueza da realidade social de uma catadora de lixo envolta num caos psíquico particular.
Os estudantes reagiram como se estivessem diante de uma grande incógnita. Para eles aquilo era uma experiência absolutamente nova.
A média de público foi de 20 a 25 expectadores. A sessão foi encerrada ás 21: 49 h.

Pindorama Cine-Educação
Sessão do dia: 08.10.2010
Filme: Encontros com Milton Santos (DOC.)
Diretor: Silvio Tendler

O documentário é a modalidade de cinema (vídeo) que tem como compromisso reproduzir fielmente a verdade. Encontros com Milton Santos, documentário de Silvo Tendler foi exibido por sugestão do Curso de Licenciatura em Geografia, pois nele, Milton Santos demonstra através de ricos argumentos a necessidade de se formarem legítimos intelectuais no Brasil. Fala também, de como é difícil atingir esse objetivo, por diversas razões. Critica a academia que considera ser aliada do Estado nos processos educativos negativos que deformam a sociedade tomando como único aspecto de atração a economia.
O professor de Geografia Aiala Colares foi convidado para o debate e esclareceu as dúvidas dos estudantes presentes.
A sessão contou com média de 30 espectadores, e foi encerrada 21: 40 h.

Pindorama Cine-Educação
Sessão do dia: 22.10.2010
Filme: Sonhos
Diretor: Akira Kurosawa

A sessão do filme “Sonhos” de Akira Kurosawa, surpreendeu muitos estudantes, pois estes não conhecem muito sobre cinema e desconheciam o fato de haver grande realizadores de filmes no Japão. Ficaram mais surpresos ainda, quando nos diálogos, após a sessão, realizado pelos idealizadores do projeto André Leite e Fernando Campos, souberam que o cinema é uma arte que não conhece fronteiras sendo produzido com arte, conceito, e qualidade ou ainda com nenhuma arte, conceito ou qualidade em todas as partes do mundo.
A sessão foi encerrada às 21: 55 h, ocasionada pela longa duração da película.
A média de público foi de 15 a 20 estudantes.

Pindorama Cine-Educação
Sessão do dia: 12.11.2010
Filme: O Clube da Luta
Diretor: David Fincher

O Clube da Luta de David Fincher, tem um apelo pop. Alia aquilo que o cinema tem de elementarmente comercial, porém, mantém uma aura de filme Cult (CULT MOVIE). O filme permeado de estética de videoclipe (David Fincher produziu diversos videoclipes antes de dirigir filmes para o cinema) o que torna-o atraente ao público mais jovem.
O tema escolhido para os diálogos foi a mídia, violência, burocracia, consumo. E como esses elementos podem contribuir para a supressão da identidade do individuo. É uma crítica aos costumes modernos. O desvinculo do ser com o individuo. A ausência de um auto-diálogo. A anulação completa da individualidade consciente para formar uma massa homogênea e vegetativa. Muda. Dependente e sem poder de reação. Como ocorre com o personagem-narrador de Edward Norton.
O filme foi bem recebido pelos estudantes, que consideraram excelente a exibição dele no projeto Pindorama.
Após um breve diálogo, pois o Instituto estava abrigando os estudantes de outros estados que estavam participando de uma jornada de jogos, a sessão foi encerrada por volta de 21: 30 h.

Pindorama Cine- Educação
Sessão do dia: 19.11.2010
Filme: Ori (DOC.)
Diretor: Raquel Gerber

Ori de Raquel Gerber, foi o filme selecionado para fazer parte das discussões sobre a igualdade racial, preconceito racial, dia da consciência negra e sobre a lei 10.639/2003 que versa sobre a obrigatoriedade do ensino de história, cultura e literatura africana e afro-brasileira no ensino fundamental e médio.
Foi discutido com os estudantes a legitimidade desse processo de obrigatoriedade de tratar dentro das disciplinas temas históricos, literários, artísticos, geográficos, etc. dentro de uma perspectiva de educação com a função de erradicar o preconceito racial na sociedade, partindo da escola.
O debate foi considerado válido pelos estudantes que expuseram seus argumentos e demonstraram interesse de saber mais sobre o funcionamento da lei.
A média de público foi de 10 estudantes. A sessão foi encerrada às 21:30 h.

Pindorama Cine- Educação
Sessão do dia: 26.11.2010
Filme: Laranja Mecânica
Diretor: Stanley Kubrick

Essa sessão foi definitivamente aquela que mais chamou a atenção dos estudantes do IFPA - Campus Belém.
O filme de Laranja Mecânica do diretor norte-americano Stanley Kubrick (o mesmo de Lolita, O iluminado, Nascido para Matar) que trata de violência de uma forma (kubrickiana) estilizada, narra a trajetória do protagonista Alex (Malcom McDowel) um jovem que apesar da configuração física de adulto mantém uma atuação psíquica infantil, em um estado de crueza irreversível, o que ocasiona a livre e absoluta expressão de seus instintos básicos contra o mundo tal como representado diante de seus olhos.
Obviamente, o protagonista, sofre as devidas sansões do Estado. É nesse ponto que entra o tema para os diálogos, que foram conduzidos pela professora de História e orientadora do projeto PINDORAMA CINE-EDUCAÇÂO Patrícia Guilhon, convidada pelos idealizadores do projeto.
O público reagiu argumentando com a professora sobre diversos outros temas que eles perceberam fazer parte daquilo que dava corpo ao filme.
A média de público foi de 40 a 50 estudantes e comunidade. A sessão foi encerrada quase às 22: 00h, pois o filme é muito longo e somado ao debate superou o tempo da exibição.

Pindorama Cine- Educação
Sessão do dia: 30.11.2010 a 03.12.2010 – 2ª Semana Técnico – Cientifica  
Filmes: Control; Obrigado por Fumar; 1984 e Metrópolis 
Diretores: Anton Corbijn; Jason Reitman; Michael Redford e Fritz Lang

            Na Semana Técnico-Cientifica, o projeto PINDORAMA CINE-EDUCAÇÃO como já havia sido planejado, passou a responsabilidade da apresentação das sessões para os estudantes do IFPA – Campus Belém. A idéia era que eles escolhessem um filme, assistissem e produzissem um texto para disponibilizar para os espectadores e preparassem um tema para debater após as sessões.
            Isso foi pensado para envolvê-los no processo criativo do PINDORAMA. Para além de lhes estimular a perspectiva crítica, demonstrar-lhes a dificuldade do trabalho realizado pelos idealizadores do projeto.
            O resultado do trabalho de produção textual e a apresentação dos temas escolhidos pelos estudantes selecionados e o desempenho no debate foi considerado apenas razoável.
            Os selecionados foram: Jamily – Geografia 6º semestre, o filme escolhido foi Control; Edson Palheta – Geografia 2º semestre com o filme Obrigado por Fumar; Antonio Paiva – Geografia 2º semestre, filme 1984; a última sessão desta semana ficou a cargo dos idealizadores do projeto que na reunião de pauta resolveram exibir o filme Metrópolis de Fritz Lang, do moderno cinema expressionista alemão.
            A sessão rendeu excelentes discussões nos debates, contudo a participação dos estudantes foi pouco expressiva, apresentando média de 15 a 20 estudantes por sessão.
            As sessões foram encerradas por volta de 21: 40h.

Pindorama Cine- Educação
Sessão do dia: 10.12.2010
Filme: IF
Diretor: Lindsay Anderson

            O filme IF de Lindsay Anderson, estava programado para ser exibido no mês de maio/2010 numa sessão especial que discutiria o movimento estudantil e sua importância nos processos sócio-culturais durante os conturbados anos 60 em Paris e conseqüentemente repercutido no mundo todo e conhecido como o Maio de 68. Porém, não houve como organizar essa mostra a tempo. Por essa razão foi realizada somente no mês de dezembro.
            A sessão contou com um excelente nível de debate apesar do pequeno número de estudantes presentes.
            A sessão foi encerrada às 21: 30 h.

Pindorama Cine- Educação
Sessão do dia: 17.12.2010
Filme: Os Sonhadores
Diretor: Bernardo Bertolucci

            Os Sonhadores, filme de Bernardo Bertolucci, fechou o calendário das mostras de cinema do PINDORAMA CINE-EDUCAÇÃO do IFPA no ano de 2010. Curioso é que, esse filme estava pautado para a sessão de abertura do projeto. Depois passou para a mostra: Universidade, Movimento Estudantil e Consciência de Classe. E finalmente foi selecionado para a última sessão do ano de 2010.
            A sessão contou com a presença do professor de História e Sociologia Márcio Araújo, que de modo informal contribuiu para o debate sobre o movimento estudantil e a influência dele nas transformações políticas e culturais no mundo e no Brasil.
            Houve um momento de grande participação dos estudantes que expuseram seus pontos de vista e argumentos produzindo uma interessante interlocução entre eles, o professor e os idealizadores do projeto.
            Antes da sessão ser iniciada, os idealizadores através do apoio do DCE promoveram um pequeno coquetel de despedida do PINDORAMA ano 1, 2010.
            A sessão contou com a presença dos membros da diretoria do DCE (que apóiam o projeto desde sua elaboração), estudantes de instituições públicas e privadas além dos estudantes do IFPA, o professor Márcio Araújo e publico externo. Ainda houve a intervenção musical do professor Miguel Cassiano que tocou violino para os convidados e freqüentadores do PINDORAMA CINE-EDUCAÇÃO.
            A sessão foi excelente. A média de público foi de 20 a 25 pessoas, sendo encerrada às 21: 50 h.

Considerações Finais  

O ano do projeto PINDORAMA CINE-EDUCAÇÃO foi iniciado co um atraso de quatro meses. Isso prejudicou um pouco a realização de algumas mostras, imprescindíveis, para o ambiente crítico da universidade. Como ocorreria na mostra do mês de maio, sobre a história recente dos movimentos estudantis pelo mundo.
Porém, tudo foi contornado com a dedicação e interesse de todos os envolvidos no projeto. Os idealizadores, passando pelos departamentos, colaboradores e estudantes.
O projeto conseguiu juntar à arte do cinema a necessidade de ampliar o conteúdo referencial dos estudantes. Envolvê-los em debates sobre os mais diversos temas e áreas de atuação. E não restringindo-se apenas ao cinema, mas usando os meios informacionais, literários, etc. convencionais e alternativos. Dessa maneira alcançando os objetivos com êxito e naturalidade. Sem imposições. Demonstrando que a apreensão de novos conhecimentos não é algo que se determina como obrigação, porém, como uma necessidade vital. Como respirar, comer, viver.
Isso foi obtido. Os estudantes começaram a enxergar aquilo que antes, somente VIAM. O PINDORAMA CINE-EDUCAÇÃO do Instituto Federal do Pará Campus Belém é tão somente um começo para ampliar a dimensão dos debates sobre a criação de novas perspectivas culturais na Universidade, para os estudantes e para toda comunidade. Essa é a função social da Universidade.